"Águia Sangrenta"

3º Episódio
Capitulo I

Ao grito de Magno todos se afastaram de Elessar por sugestão do cigano Mat.

Elessar ficou sozinho onde era o círculo da “roda cigana” e desembrulhou a joia segurando-a nas duas mãos em concha com todo cuidado. (A joia não era muito pequena, media onze centímetros de comprimento por quatro centímetros de diâmetro.) Acontece que Elessar não sabia o que poderia acontecer e não queria deixa-la cair de suas mãos.
A luz que saia do obelisco era difusa entre o vermelho e o marrom, como se tivesse mesclado o vermelho com o preto, mas com pequenas doses do preto. (para que possam entender a cor).
Mat chamou o Kaku que veio imediatamente e ao ver a luz do obelisco disse-nos:

- Preparem-se todos que irão nessa aventura! Porque irá se abrir um portal e não é o portal dos anjos. Entretanto pode ser onde estão seus entes queridos. Voces irão??

- Claro que iremos!  Respondemos unanimemente. 

Em seguida cada um de nós nos vestimos adequadamente, Elessar Dseyvar e eu nos calçamos e colocamos os “cintos coldres” recolhemos as armas, pegamos nossas mochilas de couro especial doadas por Kaku e ficamos preparados esperando o portal se abrir. Magno fez um ritual parecido  quando terminou chamou Last. que eu senti a presença logo a seguir. (eu realmente estava espantada com meus novos poderes)
Mat pediu que recolhessem as crianças e as fêmeas, pois algum ser poderia atravessar antes que terminássemos de entrar pelo portal.
O obelisco parou de brilhar e apareceu uma “Xendra” um grande Portal que nos pareceu ser uma dobra no espaço, era bem parecido com uma abertura cósmica!

Ele tinha um imenso foco de energia cósmica e as suas condições eletromagnéticas permitiam uma fusão de espaços que possibilitava a nossa passagem sem pressa de uma dimensão para outra. 
Tivemos muito receio que essa “janela do tempo” trouxesse algum ser maligno que pudesse destruir o acampamento de Mat.
 Como Elessar estava segurando o obelisco pediu-nos que entrássemos primeiro e que ele só iria quando a “abertura interdimensional” estivesse quase fechando. Mah entrou por último e precavida como ela é, deu a Elessar um carretel de linha e amarrou a ponta no seu anel. 
Porque depois que atravessamos o portal, foi como se nós não mais existíssemos. Os que passaram através dele se tornou invisível para as demais pessoas que ali permaneceram onde o portal foi aberto; Nós que entramos sentimos que estávamos no mesmo lugar. Apenas com uma visão diferente do local.

Magno olhou seu relógio e estava parado. Kaku já havia nos avisado sobre isso, disse-nos que quando retornássemos do nosso estado de invisibilidade no relógio de Magno os ponteiros estariam no mesmo lugar de quando entramos na “Xendra”!  Mah segurava a linha aflita!
 Ela não sabia o que estava acontecendo do outro lado. Nenhum de nós podia ver nem ouvir, mesmo que fosse telepaticamente. 
 A “Xendra” começou a se fechar nos deixando mais aflitos. 
Mah não tirava os olhos da linha que continuava em riste. Era sinal que Elessar ou alguém estava segurando do outro lado. De repente...

Desespero total!!

A linha ficou flácida e a “Xendra” já estava bem pequena. Ficamos todos juntos caso precisássemos voltar ou qualquer outra coisa...

De súbito! Elessar atravessou a "xendra" já nas últimas condições eletromagnéticas...  Se jogando quase em cima de nós agarrado a um ser estranho. Tinha o corpo liso como os sapos, uma grande mandíbula que quando aberta ficava maior que sua cabeça, as pernas eram fininhas e compridas, os pés eram enormes com dedos longos o que nos dava a certeza de que ele usava como garras. Os braços também longos como os dos símios, tanto que as mãos que eram armas implantadas chegavam quase a encostar-se ao chão, porque ele não ficava ereto. Uma das mãos era um martelo quadrado e a outra uma serra com duas pontas. Imediatamente tentamos segurá-lo, mas a demora perante a surpresa e a alegria nos custou a fuga do ser e uma martelada em Elessar.

Depois que o socorremos da pancada que ele levou, sendo atirado longe, Elessar nos disse que essa criatura havia saído da "Xendra" de repente rebentando a linha que Mah deixou como segurança. 
O cigano Mat e ele, correram muito atrás da criatura pelo acampamento. E que foi muito difícil segurá-lo, dado a sua ligeireza e as suas mandíbulas, ele tentava morder sempre que estavam quase pegando. 
E por via das dívidas, como não estavam em perigo por nenhum tipo magia aparente Elessar não usou poderes mágicos. Combinou com Mat por sinais levá-lo até perto da abertura e quando ele passou por ela, ele aproveitou e se jogou na abertura agarrando a criatura de surpresa, entrando os dois.

   Começamos a caminhar com cuidado para não sermos pegos desprevenidos, depois de uma hora caminhando em uma terra árida que mais parecia um deserto, salvo por não ser arenoso. Tinha o solo duro, seco. 
Ouvimos gemidos em uma construção em ruínas. Elessar nos chamou para acudirmos quem estava em perigo, e fomos todos correndo, mas fomos parados por Dseyvar... No caso Mah. 
Paramos incrédulos por aquela cigana tão boazinha nos impedir de salvar alguém. Ela nos disse:

- Voces estão loucos? Um ser estranho fugiu debaixo do nosso nariz, estamos em um mundo desconhecido e voces querem meter a cara onde nem sabem o que encontrarão? Esperem! Podemos salvá-lo com sapiência, sem atropelos. Vamos bolar uma estratégia para que se formos pegos, que não sejam todos. E assim, que um possa salvar o outro.

Tivemos que admitir! Ela estava certa. 
No nosso mundo corríamos para salvar alguém, mas aqui teríamos que ser cautelosos. Mah continuou seu argumento mais que certo:

- Pessoal haja o que houver, lembre-se que estamos juntos, mas não podemos nos precipitar de forma alguma! No momento em que atravessamos aquele portal, nossas vidas ficaram em grande risco, por favor, sigamos forte com o nosso objetivo, mas sejamos sábios para não sermos derrotados de novo.

= Pode deixar Cigana! Ouviremos voce e dessa vez será diferente. Prometemos! Estou certo?

Falou Elessar e todos nós concordamos. Mah agradeceu visivelmente emocionada por confiarmos nela:

- Poxa Elessar! Fiquei emocionada com essas palavras vindas da alma! Obrigada! Vocês são presentes de Deus na minha vida. Eu sempre peço graça a Deus porque pela graça a gente sempre entende o que não consegue aceitar e assim vou levando a vida...
Peço sempre que Ele afaste de mim pessoas ruins e maldosas, e que haja em meu caminho, apenas pessoas que possam sempre me ensinar o melhor!
E eu sei que Deus me ouve! Você são algumas dessas pessoas que sempre peço em minhas orações... Meus amigos! Segundo ao coração de Deus! Agradeço por essa amizade tão bacana... Deus abençoe sempre todos voces.

= Abençoe a todos nós Cigana! - concluiu Elessar

Capitulo II 

Seguimos os planos que Magno traçou: ele sentia que algo terrível estava por vir... Mas as suas esperanças iriam vencer todos os obstáculos.·.
Magno pediu-nos que testássemos nossos poderes, cada um de nós, precisávamos saber se estariam em ordem caso precisássemos sair rápido do local.
* Elessar tentou o tele transporte... Não funcionou! 
* Magno não conseguiu mutar para o tigre, mas conseguiu para Lorian e resolveu ficar assim. 

* Dseyvar não conseguiu usar nenhum dos poderes que sua mãe Kalissia lhe deu... Possuía apenas suas espadas dançarinas e o arco de Aodh. 
* Eu já não estava conseguindo mesmo usar os meus, apenas os que nem sei que possuía, então não foi nenhuma surpresa. Elessar perguntou:

= Onde está Last? Não podemos seguir sem ele!

Lorian disse que confiássemos que ele deveria estar por perto. Em seguida disse que iria averiguar sobre o pedido de socorro (gemido) Que nós rodeássemos o local para ajudar se precisasse. Mas que lembrássemos das instruções e nunca nos mostrássemos todos de uma vez.
Mah nos disse que aquele local em ruínas parecia um covil. Que não déssemos “bobeira”. Depois deu lugar ao elfo Dseyvar para que pudesse lutar.
Lorian foi se esgueirando para o lugar de onde ouvimos o gemido. 
Haviam paredes e mais paredes naquele local escuro Que era iluminado apenas pelos olhos de elfo de Lorian e nossos. 
Depois de percorrer vários corredores de paredes em ruínas ele viu um ser acorrentado em uma espécie de câmara de tortura. Com certeza ele não estava sozinho. Lorian fez sinal para que esperássemos. Mas fi cassemos prontos.

Ficamos mais atentos ainda nas nossas formações. Cada um de nós sabia o que deveria fazer conforme as instruções do estrategista Lorian. Tendo em mente, que poderíamos agir diferente se fosse preciso! Poderíamos agir conforme o que nós víssemos ou sentíssemos, depois que ele invadisse ou estivesse próximo à criatura acorrentada.
Lorian chegou perto da criatura acorrentada que tinha as lãs todas sobre o rosto, o corpo ensanguentado e já não se aguentava mais de pé, estava dependurado nas correntes. Lorian olhou para todos os lados e não viu ninguém, sua mente não captou viva alma por perto, poderia ser, porque realmente não havia ninguém ou, porque seus poderes não funcionavam naquele lugar. Ele disse ao ser acorrentado com muito cuidado, pois poderia ser uma armadilha:

- Estou aqui para te ajudar! Pode me ouvir?

- Quem é voce? Voce é uma criatura do céu? Eu já morri?

A criatura perguntou talvez pela beleza do elfo Lorian. Confundiu-o com um anjo.

- Não, sou um elfo e te ouvi gemendo, por que está acorrentado?

- Porque eu confiaria em voce? Não te conheço. Voce pode ser um espião do Harock.

- Quem é Harock? Tenha calma, vou libertá-lo.

Disse Lorian tentando quebrar as correntes, mas se afastou ao sentir o cheiro que vinha do ser, era horrível! Como cheiro de morto. Então ele perguntou.

- Voce está ferido onde? Desculpa a sinceridade, mas pelo odor voce está gangrenando! O acorrentado respondeu quase sem voz:

- Eu sei elfo! Eu sou um Rei das terras Altas. Fui capturado e torturado pelos monstros do Harock Ele tenta usurpar poderes mágicos de todo ser importante! Eu aprendia magia para proteger meu reino e não sei como Harock descobriu que eu possuía um grande potencial para dominar a magia negra! Eu não aceitei isso! Eu queria combater a magia negra e não possuí-la... Como eu não aceitei me tornar uma mago negro.
Harock mandou me capturar e me torturar para que eu passasse para o seu rei...
O Rei Tuliman  o meu "Signo"! Não sei se voce sabe, mas passar o "Signo" é transferir todos os poderes mágicos a outro ser.

- Sim eu sei!

– disse Lorian penalizado enquanto tentava retirar as algemas dos elos e o ser continuou contando a ele sua história,  parecia querer desabafar.

- Sabe Elfo? Colocaram-me em mesas de tortura e eu resisti. 
Como Rei eu era senhor de grandes batalhas e estava acostumado a torturas. Eu sempre saia vivo delas.
Foi quando o grão-vizir atiçou ao Rei Tuliman que usasse em mim uma execução medonha

Nesse momento Lorian terminou de retirá-lo das correntes e o ser caiu em seus braços...
 Lorian exclamou visivelmente emocionado com o que viu:

_ "A Águia Sangrenta"

- Sim Elfo!  "A Águia Sangrenta" eu fui amarrado, amordaçado e colocado à uma grande roda com o rosto voltado para baixo, donde eu só via os pés dos meus carrascos. Depois de amarrar minhas pernas e meus braços na roda eles  esticaram as minhas costas o máximo que puderam e o quanto os meus ossos aguentaram... Em seguida, Harock desenhou com carvão nas minhas costas.
Ele fez o desenho de uma águia com as asas abertas...  Nas partes mais delineadas, ele usou a lâmina afiada de uma faca... 

Depois disso... Quebraram minhas costelas com um machado... Uma por uma seguindo o desenho que Harock fez. Em seguida... Puxaram os ossos e a carne para trás. Assim criaram a imagem de um par de asas brotando nas minhas costas. E disseram: 
Se eu queria ser um anjo, então, eu era um anjo para o meu povo, mas se eu não os atendesse eu passaria a ser um Demônio...
Eu sobrevivi a essa tortura... Experimentei a mais terrível agonia, que os carrascos aumentavam todos os dias esfregando sal grosso dentro da enorme ferida...

Queriam que eu não suportasse mais a agonia e finalmente desse o meu "signo" ao Rei. Passaram-se duas semanas e eu continuava firme na minha decisão. Isso, porque ao usarem o sal, mesmo que doesse muito, eles adiavam a gangrena. E eu aguentava a dor com a esperança de que o Rei desistisse! 
Se eu lhe desse o meu "Signo"a humanidade estaria perdida, porque ele poderia usar a magia negra que eu não quis usar... Até que...
 Circin a feiticeira das Gárgulas...

- Gárgulas?? - Perguntou Lorian se lembrando do acontecido com Mah e Elessar.

Sim, ela é muito perigosa! Não sai da sua gruta, mas os feiticeiros e os que querem seus serviços malignos vão até ela. 
Tuliman foi até ela pedir uma ajuda para que eu desse a ele meu "Signo".
 Ela disse que ele teria sua última chance... Se nem assim eu dissesse estaria tudo perdido: porque eu morreria. O Grão-vizir não queria que fizesse, se no fim eu poderia morrer não adiantaria.
   Mas o Rei Tuliman era ambicioso e mandou fazer mesmo assim, o argumento que ele usou foi que: ele já não aguentava mais o fedor da minha carne podre toda vez que precisava ir até o calabouço, me obrigar a fazer sua vontade. 
No mesmo dia ele mandou os carrascos me colocar na roda novamente!
 Eu pensei que fosse o sal grosso, nem me importei, porque já estava acostumado, já nem doía mais mesmo. 
Talvez a gangrena já estivesse começando a tomar meu corpo.

O carrasco (que para mim, era um médico da corte do Rei por saber exatamente onde cortar)... Agiu sobre orientação do Rei Tuliman que explicou tudo que lhe dissera Circin... 
 Colocou os meus pulmões para fora da cavidade torácica pela ferida aberta, mas sem arranca-los! Em seguida meus dois pulmões expostos foram puxados e esticados sobre os ossos da costela que eles tinham formado nas "asas".
Como meus pulmões não foram arrancados dava a ilusão a quem vinha olhar, de que eram minhas asas batendo... 
Conforme os meus pulmões se enchiam de ar e se esvaziavam.

Eu já não pensava mais... Ficava sem ar... Por ser insuportável respirar de tão grande que era a dor. Então sem mais esperanças e cheio de ódio meu lado negro...  Que eu mantive seguro por tanto tempo surgiu feroz, maligno!
Eu gritei alto chamando as forças do mal com tanto ódio, que meu coração agora negro conseguiu trazê-las.
A roda começou a girar ficando cada vez mais veloz a ponto de se transformar em uma arma mortal...
 E eu matei todos que estavam no local, inclusive o Rei Tuliman.

Entretanto, eu continuava preso a roda e com a "Águia sangrenta" ainda batendo as asas... Em cada respirar.

Desesperado por ter cometido uma atrocidade como aquela e eu continuava sofrendo... Conjurei umas palavras que fez surgir uma labareda no centro da sala de tortura... A magia foi tão forte que em seguida... A labareda saiu porta a fora e dizimou muitos da cidade. Acho que meu coração ainda não estava tão negro, porque o fogo poupou as crianças e as jovens mulheres.
Até que... Eu perdi as forças. toda minha energia expirou com aquele feitiço desabando meu corpo ainda preso a roda... 
Depois de um silêncio fúnebre... Apareceu ao meu lado um serviçal de Circin Pegou-me, me trouxe e me prendeu aqui para esperar a morte.

  Ele parou de falar já não tinha mais ar nem forças... Lorian estava chorando com ele nos braços, limpou o rosto dele com suas vestes, arrumou as grandes lãs sujas de sangue que estavam coladas no rosto do Rei... E perguntou:

- Qual é o seu nome sua Majestade?

O Rei olhou para Lorian e tentou sorrir, Já com suas últimas reservas de ar,  puxou o elfo para perto dele e disse sussurrando:

- Não... Chora... Elfo! Enfim vai... Passar a dor... Meu... Meu nome é... Nrhiav de Thau-rau... obri...gado...
......  O Rei morreu parando enfim seu sofrimento....
Quando Lorian acabou de fechar os olhos do Rei, umas sobras negras surgiram de todo lado com sons horríveis e levaram o corpo do Rei Nrhiav... 
Lorian tentou lutar, mas era em vão Suas espadas passavam direto sobre os espíritos. Lorian ajoelhou-se com as mãos no rosto talvez fosse fazer uma oração pelo pobre Rei... Mas... Sem que qualquer um de nós tivesse tempo de fazer qualquer coisa, pois ainda estávamos indo em direção a ele. 
Surgiu uma criatura com manto esfarrapado e capuz... E tele portou dali... Nosso amigo, no meio da algazarra dos espíritos malignos...
..............

Comentários

  1. Anônimo04:13

    Oi Katia! Só consegui comentar com perfil anônimo ! Estou adorando os Blogs seus de Aventuras de Sigel. Parabéns! ( Giulia Allessio)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não entendo o que está acontecendo meu bem, deve ser atualização do Blogger. Muito obrigada por ter insistido. Giulia e por estar gostando. beijos.

      Excluir
  2. Olá. Giulia me falou de seu Blog. Estive olhando está muito bonito. Vou começar a ler e depois comento sobre. Boa noite

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa noite quase dia Magno. Ora veja, você tem o nome do meu Cigano. Obrigado por ter gostado do Design. Espero que goste das histórias.

      Excluir

Postar um comentário

Já estamos na terceira Temporada das Aventuras de Sigel. Graças a voces meus leitores. Continuem comigo por favor.

Postagens mais visitadas deste blog

A Besta Dourada